Duas novas macrorregiões de Saúde passarão a integrar a onda verde do plano Minas Consciente, a mais avançada do programa criado pelo Governo de Minas para garantir a retomada segura e responsável da economia no estado. Além da manutenção das regiões  Norte e Triângulo do Sul nesta etapa, as regiões Oeste e Centro-Sul progridem para a onda verde, depois de 28 dias na onda amarela, graças aos bons índices epidemiológicos. As mudanças foram definidas nesta quarta-feira (16/9), em reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, após a análise semanal da situação da pandemia no estado.

A onda verde compreende o último nível do plano Minas Consciente, fase em que é permitida a maior parte das atividades, como bares com música ao vivo, cinemas e parques. Todas as aberturas devem respeitar os protocolos estipulados pelo Governo de Minas, que incluem padrões de distanciamento social e práticas de higienização.

Os outros avanços deliberados são para que as macrorregiões Triângulo do Norte e Noroeste avancem para a onda amarela, com a permissão para retomada de serviços como bares e academias. Ao todo, nove macrorregiões de Saúde integram a onda amarela, incluindo também as regiões SulSudesteCentroJequitinhonhaLesteLeste do Sul e Vale do Aço.

O governador Romeu Zema ressaltou que as mudanças estão em sincronia com a estabilidade do número de casos e óbitos no estado, seguindo a tendência de queda desses índices. Ainda assim, o chefe do Executivo reforçou a necessidade dos cuidados sanitários, como uso de máscara e álcool em gel.

“Só tivemos desta vez boas notícias. Nenhuma região regrediu, ou seja, nenhuma região que estava na onda verde voltou para a amarela e nenhuma região que estava na amarela regrediu para a vermelha. O que nós tivemos foram apenas movimentos positivos. O número de casos e número de óbitos no Estado continua declinando”, disse o governador.

Com as alterações, permanece na onda vermelha apenas a macrorregião Nordeste, que possui a menor quantidade de municípios com adesão ao plano Minas Consciente. O secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, reforçou a importância da adesão das prefeituras ao plano.

“Já temos como aferir que quanto mais municípios aderidos nas macrorregiões, mais os indicadores epidemiológicos possibilitam o avanço das ondas”, ressaltou Passalio.

AGÊNCIA MINAS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here